A Deusa Sekhmet

Se Ísis tem mil nomes, dizem que Sekhmet tem dez mil, e Ela é considerada a Deusa mais antiga de todas. Conhecida e reverenciada com epítetos como “Aquela que existia antes mesmo dos Deuses”, “Senhora do lugar do começo do tempo”, “Mãe dos Deuses” ou “Grandiosa da Cura”, Ela é também a “Senhora do Medo”.

A Deusa com cabeça de leão é pouco estudada e o ressurgimento de seu culto ganhou corpo nos últimos dez anos juntamente com o reforço de sua presença arquetípica.

Já existem hoje mais fontes de informação em inglês sobre essa Deusa do que quando Ela surgiu inequívoca e inevitável na minha vida em 2004. Porém, há pouquíssimas fontes confiáveis e acuradas em português, e há meses Ela me pede, ou melhor, exige, que escreva sua história na minha língua mãe.

Essa Senhora da Vida é mais conhecida por seu mito mais terrível, o da Destruição da Humanidade; mas como é possível que uma entidade com tamanho poder destrutivo tivesse erigidas em seu nome estátuas e mais estátuas por todo o Egito? Pois como tudo, Ela tem dois lados, e Aquela que destrói, é a mesma que cura.

O Mito da Destruição da Humanidade foi retirado do Livro da Vaca Celestial, encontrado nas paredes das tumbas reais entre a 19ª e a 20ª dinastia e considerado uma das narrativas mais ancestrais do Egito. Ela é filha e também o Olho de Rá. Na mitologia Egípcia, ele personifica o poder concentrado e dirigido do Sol, e o Olho é na verdade sempre feminino.

Um grupo de humanos se rebela contra Rá, o Deus Sol. O Deus convoca um conselho de deidades anciãs para pedir orientação. Entre os presentes, está o Olho. Nun, o caos primordial, sugere que Rá envie seu Olho contra os humanos rebeldes. O Olho, então, na forma de Hathor, parte para a chacina. Ela mata os rebeldes que haviam fugido para o deserto e retorna para seu pai, Rá, afirmando que Ela “subjugara a humanidade e aquilo lhe fez bem ao coração.” E assim, nasce Sekhmet. Quando Ra percebe que Sekhmet está decidida a destruir a todos os humanos, Ele muda de ideia. Chama seu principal sacerdote e manda moer ocre bem vermelho para misturar em sete mil jarros de cerveja que estava sendo preparada por mulheres. Na véspera da destruição total planejada por Sekhmet, o líquido intoxicante foi derramado sobre os campos por onde Ela daria início à matança. De manhã, Sekhmet encontra os campos reluzindo com a cerveja vermelha. Ao ver seu reflexo na planície alagada, se alegra e bebe tudo que pode. Fica então tão embriagada que sequer consegue reconhecer os humanos, e assim o desastre é evitado.[1] Ela teve de ser vencida pela embriaguez pois não poderia ser dominada pela força. Rá então saúda o retorno de sua filha e decreta que, todos os anos, as mulheres vão preparar levas de cerveja para um grande banquete em honra a Sekhmet.

Em razão dessa história antiga, a oferenda que essa Deusa mais aprecia, é claro, é cerveja vermelha.

As imagens são encontradas por todo o Egito, mas o centro de seu culto era em Mênfis, na divisa entre o Alto e o Baixo Egito. Ainda se pode visitar outros templos importantes, como o Templo de Mut em Karnak e o mortuário de Amenhotep III, que guarda a maioria de suas estátuas.

Sala de Sekhmets no Museu do Louvre

A quantidade de estátuas erigidas para Ela é assombrosa. E muitas Sekhmets podem ser visitadas hoje no Louvre, no Museu Britânico e até no Field Museum em Chicago. Acho que foi no Louvre onde me descobri em uma sala inteira só de Sekhmets!

São em geral imensas, com mais de dois metros de altura. Na maioria, Ela está sentada em um trono, segurando o Ankh na mão esquerda. A pedra escolhida pelos escultores em geral era o diorito, uma pedra cuja origem ígnea reafirma a ligação dela com o fogo e o sol. A cor negra do diorito também representa os aspectos complementares do mundo inferior: a morte e a fertilidade da terra profunda.

Das muitas deidades leoninas dos egípcios, Ela era a mais poderosa e a mais temida. Significando ao mesmo tempo destruição e proteção, portanto era melhor apaziguar essa força e garantir que Ela estivesse sempre do seu lado.

A energia solar, curadora, protetora e guardiã da justiça que Sekhmet emana tem falado ao coração de muitas mulheres e homens. Mas para amá-la, honrá-la e usar sua força com sabedoria é preciso conhecê-la. E essa foi só a primeira parte de todo um processo de apresentação. Se Sekhmet anda chamando por você, seja bem vindo/a!


[1] Wente Jr., Edward F. The Book of the Heavenly Cow, publicado em The Literature of Ancient Egypt, editado por William Kelly Siimpson. New Haven, CT: Yale University Press, 2003. p. 289-292. Tradução livre.

Anúncios

11 pensamentos sobre “A Deusa Sekhmet

  1. JR disse:

    Olá,
    Faz algum tempo que tive um sonho em que era uma espécie de sacerdote do egito antigo e que estava tentando ressuscitar um corpo, e falava algo parecido com: ne he ne he, sekhmet ne he, e uma serie de coisas. Passou um tempo e eu fiquei com aquilo na cabeça e fui procurar, foi quando achei que se tratava da deusa sekhmet, achei bem estranho porque nunca tinha lido nada sobre ela, conhecia os outros mais pop como rá e anubis. Desde lá seguido caio no mesmo assunto, a deusa, então caiu a ficha que devo saber mais sobre o assunto, vi que pela internet os textos são por vezes repetitivos e não trazem muita informação nova ou original, assim vou tirar um tempo para ler esse site, mas gostaria que me indicasse onde posso achar mais leituras sobre sekhmet.
    Obrigado

  2. Val L. disse:

    Fiquei impressionado com a Deusa Sekmet, com os seus textos , histórias , mitologias, rituais,canalizações , contatos e realizações.
    O seu poder é tão grande , que devemos ter cuidado com o que pedimos e dependendo do que for, só o fazermos em caso de necessidade real e justa.
    TODAS as vezes que pedi em rituais, sua ajuda, ela veio e aconteceu EXATAMENTE do jeito que pedi e declarei, com cada detalhe, um após o o outro, em sequencia.
    A fôrça dela é tão poderosa, que cuidado é necessário para lidar com a energia e os decretos , está em TUDO, quando sua força se levanta , até os deuses podem temer !
    No you tube tem uma canalização dela que gostei muito, pode se dizer também , entre muitas outras coisas, que ela é a própria força que dá vida à vida .

  3. Cris disse:

    Olá! Boa Tarde
    Estive lendo sobre essa Deusa. Na verdade cheguei até ela em um ritual de banimento que estava precisando por conta de uma série de coisas que passei em meu campo profissional.
    Enfim… eu fiz o ritual, e agora estou fazendo os votos de agradecimentos (não sei se seria bem esse o termo), me peguei admirando a Deusa e não sei se isso é um começo do “chamado” , gostaria de relatar algumas coisas “particular” para você, então se houver outro modo de contato, queria muito esclarecer algumas dúvidas.

    Grata

    Cris

  4. I. S. Barbosa disse:

    Olá Petrucia Finkler,

    Me chamo Isabela. Eu tenho estudado sobre espiritualidade de maneira lúcida, aberta às imensas possibilidades de aprendizado que cada culto e cultura trazem… Recentemente encontrei um texto muito bonito e poderoso sobre Sekhmet e desde que o li, ela não me saiu mais da cabeça… Desde esse primeiro contato -até então nunca tinha ouvido falar dela, e até agora me pergunto se foi só ao acaso mesmo que a encontrei- percebi nela uma força e um mistério que evocam em mim grande respeito e uma vontade de conhecer mais sobre ela… Ainda me sinto bem tímida em relação à ela, mas ainda assim quero conhecer mais. E comecei a procurar material, e, como já comentaram aqui, é difícil de encontrar, basicamente li modos diferentes de contar o mito da destruição da humanidade, onde por vezes trazem-na como uma deusa tríplice [Hator-Sekhmet-Bastet] ou dissociada desa tríade, mas sempre retratam-na de maneiras diferentes, e isso traz grande confusão… E basicamente se resume a isso, a esse aspecto histórico, não encontrei informações sobre seu culto hoje.
    Fiquei feliz de encontrar teu site e saber que há alguém preparando material sobre Ela. Gostaria de algumas dicas de livros e/ou outros sites, em português ou em inglês mesmo, pois estou um pouco perdida…

    O primeiro texto que li sobre ela, chamado “O Grande Rugido” foi neste site:
    http://oficinadasbruxas.com/o-grande-rugido/
    Agora que vi que tem mais alguns textos sobre culto a ela neste mesmo site, vou conferir.
    O segundo material encontrei aqui:
    http://sagrado-feminino.blogspot.com.br/2010/01/deusa-sekhmet.html

    Gostaria de saber tua opinião sobre esse material, pois assim como eu, talvez muitas outras pessoas também tenham entrado em contato com eles.
    Desculpe pelo “testamento” que escrevi!
    Abraços,
    Isabela S. Barbosa

  5. Hannah Nahash disse:

    Gratidão, já estou te adicionando… 🙂
    Andréia / Hannah

  6. Boa noite, gostei muito do texto. Procuro mais informações sobre Sekhmet, mas tá bem difícil pois se encontra as mesmas coisas em todo lugar que procurei. Se puderes me ajudar agradeço.

    • Olá Andréia! Seja muito bem vinda. Muito legal que você tenha sentido o chamado dessa Deusa. Eu mesma fiquei de escrever mais e traduzir um material que tenho. Ela me cobra… e eu me enrolo… mas um dia sai. Enquanto isso, pode me procurar pelo facebook também, por Petrucia Finkler mesmo. Manda uma mensagem com um pouco da sua história e suas principais dúvidas e vou te ajudando a partir daí. Será um prazer.
      Um abraço solar!

      • Ernesto disse:

        Bom dia pessoas, estou também interessado na Deusa Sekhmet.
        Pois tive um sonho com um (a) gata que tinha os dentes superiores e inferiores grandes e curvos,agressiva, e foi morta estava de barriga para cima e apareceu asas de morcego.
        No dia seguinte conseguimos uma canalização com Sekhmet.

      • oi Ernesto! Seja bem vindo!! olha, não sei muito o que pensar sobre as asas de morcego… não me soa como tendo nenhuma relação com a Deusa Sekhmet, mas como um híbrido com outra coisa… outra energia. Numa busca rápida na internet, não achei nenhuma Deusa com asas de morcego, exceto uma Deusa Azteca que pode ter asas de borboleta e, por vezes, de morcego. A energia agressiva e felina tem relação com a Sekhmet, mas não é uma agressividade gratuita… ela é defensora da justiça, acima de tudo. Talvez o contato com a Deusa que vocês tiveram nem chegou a ter relação de fato com o sonho… mas o sonho indica para você que você está tocando nessa energia interna de agressividade, liberdade (felino) + contato com o escuro/sombra… do morcego. Além de que o morcego é cego e se movimenta, se acha por som, não é? por reflexo de ondas sonoras sobre objetos e prédios. Talvez seja uma indicação de como vc deve se movimentar no seu momento, não por aquilo que vê, mas por energia que percebe refletida? acho que o sonho é mais um reflexo seu interno, tem que ver se seu sentimento era bom que gata estava morta ou se era um alívio, isso vai ser uma indicação grande do significado. Enfim… fora o sonho, fico muito feliz que você me achou aqui. Vejo que é crescente o interesse em Sekhmet, e Ela é muito incompreendida (embora Ela não se importe com isso! ha!) Vocês anotaram o que ela disse durante a canalização? como foi? adoraria saber um pouco mais.

Dê voz ao que sente

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s