Feliz Imbolc

Bênçãos de Imbolc!
Segundo as antigas tradições de celebração da natureza, hoje marca (simbolicamente) o meio do período entre o solstício de inverno e o equinócio da primavera.

O pai inverno perde sua força, e a donzela das flores começa a nos deixar entrever suas possibilidades de desabrochar. sol

Lembro em Chicago como era forte esse momento em que podíamos voltar a acreditar que o sol derreteria a neve… embora ainda fosse muito difícil vislumbrar algum verde no meio da morte branca e seca do longo e tenebroso inverno. No norte, esse momento é celebrado em fevereiro, mas, para nós do hemisfério sul, ele cai hoje, no signo fixo do Leão. É um signo de fogo, de fortalecimento, de garra.

Aqui no Brasil, não temos neve – a não um pouquinho em alguns estados do sul -, mas ainda assim essa alteração energética do marco central entre uma estação e outra é perceptível de diferentes formas.

Como cresci no Rio Grande, entre Porto Alegre e Santo Ângelo, lembro muito bem do Minuano (o vento) gelado, das frentes frias que vinham do sul da Argentina e do poema do querido Mario Quintana, “Família Desencontrada”, sobre as estações do ano onde :

“O Inverno é um vovozinho trêmulo, com a boina enterrada
até os olhos, a manta enrolada nos queixos e
sempre resmungando: “Eu não passo deste agosto,
eu não passo desse agosto…”

No sudeste, ele também marca um período de ar muito seco, portanto cuidar para manter o equilíbrio da umidade e hidratação do corpo torna-se fundamental. Ainda não é a hora de excessos físicos ou de jogar todas as fichas nos novos projetos. É um momento de ápice, clímax de uma estação e a transição energética e física para a próxima, ou seja, algo que está começando a virar. O encontro do frio com a promessa da vida, do rigor, com o desabrochar. Da Terra com o Ar. É um período bacana de observação, de sonhar novas ideias – que nos chegam com o embasamento do nosso período recluso por conta do frio. É o momento em que as sementes começam a despertar seu potencial de planta, por isso é bacana aproveitar o momento para dar início a limpezas profundas.

Ou como diz Margie Mc Arthur no livro Wisdom of the Elements:
“Quando o poder sábio, estrutural e sólido da Terra se casa com o movimento e a instabilidade do Ar, os poderes de renovação e aprendizado do Ar garantem o movimento para que a estrutura da Terra não se solidifique em algo que já não serve mais. Novas ideias surgem. o ar assegura que a sabedoria da terra emerja de seu silêncio. O Mistério é revelado pelo poder do som.”

Para ilustrar a season, achei essa obra lindíssima no website da artista Angie Latham. Estou muito a fim de comprar alguma das ilustrações dela para ter em casa.

beautiful artwork by Angie Latham

beautiful artwork by Angie Latham

Anúncios