O grande eclipse de Agosto 2017 (para quem está nos Estados Unidos)

a_mach_eclipse_greateclipse_170803.today-inline-vid-featured-desktopEstá todo mundo falando do eclipse solar que vai acontecer em três dias. Sim, no dia 21 de agosto de 2017 teremos um eclipse solar total que poderá ser avistado em sua completude de oeste a leste dos Estados Unidos. Mas o que isso significa para a sua vida? Talvez nada.

O que é um eclipse?

Um eclipse solar acontece quando a silhueta da lua se interpõe entre a Terra e o sol, tapando a luminosidade deste. Claro que a lua é muito menor que o sol, porém, vista da Terra, quando se encaixa direitinho na frente do astro-rei, ela consegue tapar a luz do dia e, num eclipse total, tudo escurece por alguns minutos . Os passarinhos se atrapalham e voltam para seus ninhos, e os humanos de antigamente achavam que algum monstro havia engolido o globo de fogo que brilha sobre nós ou estava ocorrendo algum outro fenômeno sobrenatural que, em geral, trazia mau agouro e problemas para a tribo ou o reino.

Agora que sabemos calcular fenômenos astronômicos, temos a Nasa para monitorar tudo e a internet para divulgar trocentas bobagens em cima dos acontecimentos, a gente consegue prever quando teremos eclipses e, sendo assim, ninguém dos humanos se assusta mais.

Existem quatro tipos de eclipse solar, e eles sempre acontecem durante a fase da lua nova.

  • Total: quando a silhueta da lua obscurece o sol por completo, o último foi em março de 2016 (o último que eu vi assim foi no pátio da minha faculdade em Porto Alegre, não lembro o ano).
  • Anular: Quando sol e lua estão alinhadinhos com a Terra, mas a bola da lua não está tão grande a ponto de escurecer tudo, então a gente vê um anel de fogo no céu. O último foi agora em fevereiro de 2017, bem durante o carnaval, e podia ser avistado do Brasil. Do meu quintal, no entanto, não dava pra ver o anel perfeito, apenas uma “mordida” que tinha sumido do Sol.
  • Híbrido: de certos pontos da Terra é avistado como um eclipse total, de outras partes, se vê como anular.
  • Parcial: quando sol e lua não estão assim tão perfeitamente alinhados, e o efeito que se dá é que um pedaço do sol está faltando. Nada escurece (já que é preciso tapar 99% do sol para causar qualquer escuridão).

De todo modo, é importante saber que: TODOS OS ANOS TEMOS DE 2 A 5 ECLIPSES SOLARES ocorrendo e que podem ser avistados de algum lugar do planeta . O total é de, em média, 240 eclipses solares por século. É muito eclipse. Não é um evento raro, não é algo extasiante ou nunca visto.

Então por que tá todo mundo louco com esse eclipse de 21 de agosto? A resposta é simples: porque além de ser um eclipse total, ele pega toda a extensão dos Estados Unidos. O hype mundial é porque é um hype americano. Só. Ponto.

Os americanos compraram todos os “óculos para eclipse” à venda no mercado, estão viajando e hotéis estão lotados nas regiões que poderão avistar o eclipse na sua totalidade. Algo, que, inclusive, *todos* os sábios de antigamente aconselhariam negativamente. Pois se o eclipse é uma ocorrência nefasta, por que diabos alguém vai caçar o sol para avistar um?

O que torna este eclipse especial para os americanos é a mídia, martelando sem parar que desde 1918 eles não têm um eclipse solar total cuja sombra percorra o país de oeste a leste em toda sua largura, e que desde 1257 não acontece de um eclipse assim recair exclusivamente sobre solo americano (se bem que, claro, em 1257 aquilo lá era território indígena e tinha o nome que os nativos davam).

O outro grande motivo de alarde lá é que o eclipse vai se dar aos 28 graus de Leão, o que cai em cima, na tampa, cravado no ascendente do presidente americano Donald Trump. Mas, coincidentemente, também cai na tampa, cravadinho no *meu* ascendente, que descobri, é o mesmo do Trump. Buuuuu!!!!

Então com certeza para mim será um grande evento, e pro Trump também. Mas se o eclipse – não importa se é total, parcial ou anular – não for cair em cima do seu ascendente, sol, lua ou outro planeta importante no seu mapa astrológico (ou do mapa da sua cidade ou país),  a chance é enorme de que você não vá sentir o efeito.

Então parem com essas baboseiras de sites de que o eclipse anuncia uma nova era, que a super lua vai mudar o paradigma da existência humana, que os portais vão se abrir e uma nova consciência vai finalmente chegar, bla bla bla bla bla.  Ou algo mudou desde as 20 super luas que tivemos ano passado?

Não vamos botar a cargo dos astros aquilo que NÓS COMO SERES HUMANOS precisamos dar conta de fazer. O lixo e a atrapalhação são nossos, vamos parar de achar que alguma salvação vem de fora, vamos nós trabalhar para construir uma vida mais justa e harmônica, e cuidar do planeta antes que ela se livre de nós porque estamos causando muito estrago.

Mas, se cair em cima dos pontos importantes do meu mapa, que efeitos ele tem?

Para saber se este eclipse terá um efeito sobre você, uma pista é examinar o que rolou na tua vida no segundo semestre de 1998. Os eclipses têm um ciclo de mais ou menos 19 anos para pegar um mesmo ponto no céu. Em 22/8/1998 houve um eclipse anular no grau 28 do Leão.

Caso conheça seu mapa, examine então se ele vai tocar seu ascendente, lua ou sol, principalmente. Depois, veja em que casa vai cair. Isso sim será afetado, aquela área da sua vida estará propensa a grandes eventos, onde algo termina e algo novo se inicia.

Eclipses solares disparam nascimentos, casamentos, promoções, avanço incrível na carreira, contratos, viagem, venda ou compra de casa, cirurgias, perda de animais de estimação ou novo animal na casa, início de estudos, e por aí vai. Em geral tende a puxar o foco para áreas da vida que precisam de atenção ou mudança. Ele pode inspirar, motivar ou pressionar você na direção do que necessita.

Eclipses lunares (que acontecem durante a lua cheia) também têm efeitos, mas tendem a ser mais emocionais. O último, do dia 7/8 agora, trouxe à tona questões com amizades, por exemplo, já que tende a revelar o caráter das pessoas.

Se pegar teu signo ou teu ascendente, a tendência é de uma vida nova pela frente ou até um casamento (o que é uma vida nova pela frente).

Dito isso, astrologia é como um relógio. Para saber o que vai acontecer no mundo ou na nossa vida, é só observar as pistas nas ocorrências de quando aquilo se deu da última vez.

Os americanos estão torcendo que algo muito ruim aconteça ao Donald. Ok pode ser, mas pode ser bem o contrário. Pode ser que a vida nova dele seja sair da presidência, mas pode ser que algo se dê que favoreça aquele homem horrível.

O que me intriga é que em 1776, ano da independência dos EUA, houve um eclipse parcial (não era total e não caía sobre os EUA)  em agosto no grau 21 do Leão. Então dado isso, de que é próximo deste, e mais o fato de que cai sobre o ascendente do presidente, pode ser que algo novo surja no horizonte e mude o rumo da política da nação. Este também opõe no grau a lua dos EUA, ou seja, afeta o povo (que será ainda mais diretamente afetado no próximo eclipse, em 2018).

Ah, em tempo, os efeitos pessoais que um eclipse tem no nosso mapa tendem a durar até o próximo eclipse do mesmo tipo. Portanto, se este agora cair na sua casa 10, da carreira e reputação social, a pressão que você vai sentir para buscar reconhecimento, a garra e determinação e as chances de aumento de salário ou visibilidade duram até fevereiro de 2018, quando o eclipse solar parcial será aos 27 do aquário.

Sinceramente, fora da minha vida pessoal (e de todos que partilham do mesmo ascendente, haha), não espero grandes efeitos mundiais deste eclipse de agora – posso estar enganada claro –, estou seriamente preocupada é com o que vem em 6/1/2019. Com o tipo de conjunção que teremos no céu, nossa divisão social, nossa materialidade e nossos horrores podem chegar a um extremo nunca visto.

Vamos todos, por favor, nos engajar verdadeiramente em transformações e crescimento pessoal, em ativismo, em lutas por justiça e igualdade, em fazer bons atos, atos amorosos, que repercutam junto aos nossos próximos, para que a gente evite que algo assim aconteça.

 

 

 

 

Anúncios

Nova turma de formação mágica

Em 2015 dei início a um grupo de formação mágica com duração de 12 meses. Estamos na reta final com essa primeira turma. Está na hora de preparar o terreno para a próxima roda.

Tenho preferência por encontros presenciais (São Paulo), mas, dependendo do caso, é possível participar via skype ou hangout.

Para saber mais, leia o post no blog do próprio Conclave da Rosa e do Espinho. Se o chamado ecoar no seu âmago, mande um email pedindo pelo formulário, com mais informações e espaço para sua declaração de interesse.

A próxima turma de formação mágica começa na primeira quinzena de setembro.

A DATA DE ENCERRAMENTO PARA ENVIO DO FORMULÁRIO É 18 DE AGOSTO DE 2016.

 

 

Mandingas de Réveillon

Como ainda há algumas boas almas desesperadas, cheias de dúvidas sobre o que fazer na virada, decidi fazer essa postagem de última hora com algumas dicas bem boas.

O Réveillon é importante por tratar-se de um limiar.

Toda troca ou alteração de uma coisa para outra coisa cria um estado de limiar, de travessia, um momento em que não estamos nem aqui, nem lá, e oferece a oportunidade de um recomeço. A virada do ano, que é celebrada por algumas nações (veja bem, nem todo mundo tá ligando para a troca do calendário), se presta muito bem para evocar esse momento de “ponto de mutação”, uma união do passado com o futuro – um espaço onde, teoricamente, tudo é possível. Agora, dito isso, reparem que temos vários desses momentos ao longo da vida e até de um único dia, como, por exemplo, o amanhecer e o entardecer, o meio-dia e a meia-noite. Qualquer troca é troca, é travessia e, portanto, passível de ser utilizada para potencializar as energias que queremos emanar e, assim, atrair.

Esse é outro detalhe importante: a gente precisa emanar a vibe do que desejamos manifestar para que aquilo seja atraído ao nosso campo magnético. Nada é tão simples, óbvio, mas esse é o começo da coisa.

“Aimeusdeuses! Petrucia, me ajuda, estou desesperada/insegura/perdida, não sei o que fazer!”

Se esse é seu caso, vamos então ao que interessa:

CALCINHA

Para este Réveillon, já passei a dica da lingerie combinando com o esmalte de unha na entrevista mega fofa que dei para o site Chic Glória Kalil. Quem não viu ou não lembra, clique aqui. Outro fator fundamental para essa mandinga dar certo é que a calcinha precisa ser nova e recebida de presente. Não vale comprar a sua, precisa ganhar. Claro que pode combinar com a mãe/irmã/amiga/vizinha para uma comprar pra outra a cor desejada.

PARA VIAJAR MUITO

Outra coisa que eu adoro fazer depois da meia-noite, quando quero viajar bastante, é correr na rua com uma mala de viagem, vazia mesmo. O importante é a corrida com a bagagem. Aprendi isso quando eu tinha 13 anos, com um amigo da minha mãe que era peruano. Ele disse que era tradicional fazer isso no Peru. Pode não ser verdade, mas a ideia é boa, e o resultado sempre deu certo pra mim. É mais difícil de fazer na cidade grande, mas quem mora em praia ou bairros menores, deve aproveitar. Teve uma tia minha que teve preguiça e foi só até o portão da casa com a mala. Resultado? Viajou, mas foi perto. O ideal é dar a volta na quadra.

EM BUSCA DE CHAMEGO

Para quem está só e quer companhia, é imprescindível que a primeira pessoa a ser cumprimentada no toque das 12 badaladas seja alguém do sexo oposto (ou do mesmo, se essa é sua preferência, claro). Quando eu era solteira-e-à-procura, não perdia essa chance, a ponto de, em um Réveillon bem simplinho no qual que estávamos apenas eu e uma amiga na casa dela, a gente primeiro abraçar o cachorro – que era pequeno, mas macho – quando deu meia-noite, sob risco de não conseguirmos nos emparceirar naquele ano.

ADEUS ANO VELHO, VIDA VELHA, ENERGIA VELHA, PELE VELHA

sálvia e alecrimAno passado, passei essa data em Marrakech, no Marrocos. Não rolou celebração nenhuma nas ruas, apenas em hotéis. E ficamos, eu e meu marido, zanzando em busca de uma contagem regressiva que não aconteceu. Estava bem frio, 3c, e achamos por fim restaurante, perto da praça Jmaa el Fna, onde pedimos um chá de hortelã tradicional que o garçom nos trouxe a 15 segundos da meia-noite. Brindamos singelamente com chá. Porém, mais cedo, havíamos feito um Hamman, o banho marroquino que tem uma sessão inacreditável de esfoliação. Acho que a mulher tirou um meio quilo de pele velha do meu corpitcho. Tudo do banho foi incrível, mas o melhor foi me dar conta que eu entraria o ano deixando tudo de antigo para trás.

Então, para quem quer abandonar o velho e fazer uma limpeza legal das suas energias, eu recomendo um banho feito com alecrim ou sálvia, ou os dois. A gente fica com cheiro de tempero, mas são ervas muito eficientes para limpeza de energias discordantes ou negativas, purificação e também de forte proteção. O alecrim dá uma energizada bem legal, uma acordada boa, que tem a ver com o nome da festa (“réveillon” vem do francês e quer dizer despertar) além de ser uma plantinha muito usada nos feitiços de amor. Voilá.

O sal grosso, eu acho um pouco forte demais para nosso lindo, sutil e colorido campo energético. Seria o equivalente a tomar banho com água sanitária. Salvo em raras excessões, seu uso é abrasivo demais e desnecessário.

RÉVEILLON ENTRE OS LENÇÓISmandinga1

Minha última dica não é para amor, mas um banho para “uso da área de lazer”, ou seja, para diversão pura, a princípio sem visar compromisso algum. Se você anda devagar, esse é um banho incrível para tirar a teia de aranha e aproveitar todo o potencial daquele órgão feminino pequeno e fundamental, o único órgão do corpo humano cuja função é exclusivamente o prazer . Talvez o banho dê resultado para homens também, não sei. Se algum menino usar e der certo, me conte depois!

Enfim, tenha ou não um alvo à vista, tome esse banho por sua própria conta e risco.

Os ingredientes:

3 pétalas de rosa

3 paus de canela

3 xícaras de café de sakê

mel

Jogue tudo numa panelinha no fogo e deixe levantar fervura. Desligue e deixe curtir um tempo. Tome banho normal, por último, encha a panelinha com água do chuveiro, diga as palavras do seu encantamento, abençoando a poção. Diga com todas as letras a finalidade daquela mistura e do seu ritual. Não é recomendado dizer o nome da pessoa que você deseja, por razões de livre arbítrio, mas cada um sabe do seu karma. Aí, jogue a mistura sobre o corpo e deixe secar naturalmente.

Boa sorte e feliz 2015!!!!

10a CWED

Agora já finalmente descansada posso contar e registrar minhas aventuras na 10a Conferência de Wicca e Espiritualidade da Deusa, que ocorreu nos dias 1,2,3, e 4 de agosto, um evento que se repete anualmente em São Paulo desde 2005, mas do qual participei pela primeira vez nesta edição.

E foi uma edição especial, comemorativa, e fiquei muito orgulhosa de fazer parte dessa história.

Zsuzsanna Budapest e eu na abertura da 10a CWED

Zsuzsanna Budapest e eu na abertura da 10a CWED

Fui no ritual de abertura na sexta à noite, que era uma reconstrução do ritual de “abertura da boca”, uma cerimônia sagrada egípcia que consagrava certas estátuas e imagens dos Deuses para que elas se tornassem vivas. Já falei sobre minha experiência com uma estátua viva autêntica de Sekhmet aqui, mas estava curiosíssima para vislumbrar um pouco da cerimônia antiga. De quebra, conheci pessoalmente naquela noite Zsuzsanna Budapest.

No sábado, fui cedinho e acabei ajudando nas traduções das conferencistas internacionais: Z Budapest e Deborah Lipp nas palestras da manhã.

Com a fofíssima e inigualável Sorita d'Este.

Com a fofíssima e inigualável Sorita d’Este.

À tarde, nem sei como, engatei num papo maluco e sem fim com a querida Sorita d’Este, o assunto passeou entre outras coisas por círculos de macieiras, o caldeirão de Gundestrup, Hecate, teatro, vestidos, livros, família, sotaques, mudanças e seres mitológicos. As pessoas curtiram tanto o astral da Sorita, que acho que ela quase podia levar um troféu de Miss Simpatia do evento, isso sem contar na quantidade de bruxos que não queriam mais que ela fosse embora.

Domingo foi dia da minha palestra “Deusas da Pesada: o medo e o fascínio das senhoras da Guerra, da Morte e da Escuridão”. E no escuro Elas me deixaram, que danadas! Preparei uma apresentação com slides lindos, mas não lembrei de levar adaptador para o plug do meu laptop que é daqueles de pinos chatos. Adivinha se o hotel não tinha apenas essas tomadas novas e impossíveis de 3 buracos! Acabou minha bateria no meio do papo e ficamos sem slides, mas o encontro em si foi muito legal. Eu falei um pouco, conversamos todos um pouco, trocando histórias, sensações e experiências, e depois levei todo mundo numa jornada para encontrar minha mãe Sekhmet. palestra3

Os relatos da experiência das pessoas foram interessantíssimos. Teve uma moça que foi lambida por ela, o que é uma atitude já bem conhecida dessa Deusa Leoa, mas que surpreendeu muito a sortuda desavisada. Adorei! Fico muito grata a todo mundo que foi, pela confiança e pela participação. A gente encerrou a tarde tocando a música “Bitch” de Meredith Brooks, que tem tudo a ver com o que conversamos.

traduzindo...

traduzindo…

Na segunda-feira, fui convidada por Claudiney Prieto, organizador do evento, para traduzir os workshops de aprofundamento, e apesar do cansaço inominável no final do dia, valeu cada segundo. Do trabalho com a Z, guardo a música cantada para a água, que agora cantarolo todos os dias no chuveiro: “Water is the first mother”; do papo sobre magia e feitiços com Deborah Lipp, retomei ótimas ideias e conceitos que andavam esquecidos; e do ritual com Sorita d’Este, guardo uma cartinha linda de uma fae com uma mensagem curta e direta que vai me guiar nesse semestre, além de uma deusinha linda que ela trouxe para cada um de Glastonbury.

turma do workshop de aprofundamento com Deborah Lipp (de roxo, ao centro)

turma do workshop de aprofundamento com Deborah Lipp (de roxo, ao centro)

Aliás foi o dia dos presentes. Para me socorrer energeticamente na minha exaustão tradutiva, a amiga Silvia Brianna Bastet me trouxe um dos sprays mágicos dela, e Sorita me presenteou com um livro sobre uma deusa que me ronda, que conversa comigo e com quem eu quero começar a trabalhar também. 20140812_095504

Embora eu esteja postando fotos, quero deixar registrado meu incômodo com as fotografias *durante* os rituais. Ritual, mesmo se mitodrama, mesmo que pareça teatral, não deve ser fotografado, ou talvez apenas por uma ou duas pessoas da organização para guardar como registro. No meu entender, (e isso é minha opinião, cada um tem direito à sua) ou você está dentro ou você está fora de um ritual, não há meio termo. E tirar fotos te põe imediatamente e indiscutivelmente fora, além de ser uma grosseria disparar centenas de flashes por minuto em ambientes escuros desnorteando os outros participantes e os facilitadores.

Proponho às pessoas uma experiência radical: sumam com seus telefones e se façam presentes com *todos* os seus corpos no local onde vocês estão, vivenciando e sorvendo a sacralidade do momento presente. Que tal?