Bênção Mundial do Útero – 4 de maio, 2015

BÊNÇÃO MUNDIAL DO ÚTEROwombblessing-logo-large

– sincronização energética à distância com a autora e curadora inglesa Miranda Gray.

Dia 4 de maio, segunda-feira, às 19h

Cinco vezes ao ano, milhares de mulheres em todo o planeta se conectam a essa energia transformadora da Sacralidade Feminina. A bênção desperta e energiza os três centros de poder femininos, curando padrões profundos da nossa ancestralidade e do nosso passado e trazendo poder, amor, beleza, criatividade, fertilidade, sensualidade e graça para nossas vidas.

Venha se juntar a nós em uma rede de prece, cura e comunhão com essa energia sagrada!

Para mulheres de todas as idades, com ou sem ciclo menstrual. Meninas a partir da primeira menstruação.

Traga:

* 2 tigelas de vidro ou cerâmica

* uma vela de réchaud

* um xale ou lenço que goste

*lã colorida, tesoura

*algo de comer ou beber para compartilharmos no final

IMPORTANTE: para receber a energia em seu nome, é fundamental que se inscreva no website: www.wombblessing.com para o horário das 24:00h (horário da Inglaterra)

Vagas Limitadas!

Contribuição: R$30,00
Para reservar seu lugar entre em contato com: Bruna Canepari
Email: canepari.bruna@gmail.com ou cel: 011 951273317

Local: Espaço Terapia Femmes
Rua Sócrates 772, Bairro Marajoara –  São Paulo

**como parte das atividades, vamos confeccionar bonequinhas de lã e fazer uma meditação para curar nossa linhagem ancestral feminina.

IMG_20141206_194200667

Mandingas de Réveillon

Como ainda há algumas boas almas desesperadas, cheias de dúvidas sobre o que fazer na virada, decidi fazer essa postagem de última hora com algumas dicas bem boas.

O Réveillon é importante por tratar-se de um limiar.

Toda troca ou alteração de uma coisa para outra coisa cria um estado de limiar, de travessia, um momento em que não estamos nem aqui, nem lá, e oferece a oportunidade de um recomeço. A virada do ano, que é celebrada por algumas nações (veja bem, nem todo mundo tá ligando para a troca do calendário), se presta muito bem para evocar esse momento de “ponto de mutação”, uma união do passado com o futuro – um espaço onde, teoricamente, tudo é possível. Agora, dito isso, reparem que temos vários desses momentos ao longo da vida e até de um único dia, como, por exemplo, o amanhecer e o entardecer, o meio-dia e a meia-noite. Qualquer troca é troca, é travessia e, portanto, passível de ser utilizada para potencializar as energias que queremos emanar e, assim, atrair.

Esse é outro detalhe importante: a gente precisa emanar a vibe do que desejamos manifestar para que aquilo seja atraído ao nosso campo magnético. Nada é tão simples, óbvio, mas esse é o começo da coisa.

“Aimeusdeuses! Petrucia, me ajuda, estou desesperada/insegura/perdida, não sei o que fazer!”

Se esse é seu caso, vamos então ao que interessa:

CALCINHA

Para este Réveillon, já passei a dica da lingerie combinando com o esmalte de unha na entrevista mega fofa que dei para o site Chic Glória Kalil. Quem não viu ou não lembra, clique aqui. Outro fator fundamental para essa mandinga dar certo é que a calcinha precisa ser nova e recebida de presente. Não vale comprar a sua, precisa ganhar. Claro que pode combinar com a mãe/irmã/amiga/vizinha para uma comprar pra outra a cor desejada.

PARA VIAJAR MUITO

Outra coisa que eu adoro fazer depois da meia-noite, quando quero viajar bastante, é correr na rua com uma mala de viagem, vazia mesmo. O importante é a corrida com a bagagem. Aprendi isso quando eu tinha 13 anos, com um amigo da minha mãe que era peruano. Ele disse que era tradicional fazer isso no Peru. Pode não ser verdade, mas a ideia é boa, e o resultado sempre deu certo pra mim. É mais difícil de fazer na cidade grande, mas quem mora em praia ou bairros menores, deve aproveitar. Teve uma tia minha que teve preguiça e foi só até o portão da casa com a mala. Resultado? Viajou, mas foi perto. O ideal é dar a volta na quadra.

EM BUSCA DE CHAMEGO

Para quem está só e quer companhia, é imprescindível que a primeira pessoa a ser cumprimentada no toque das 12 badaladas seja alguém do sexo oposto (ou do mesmo, se essa é sua preferência, claro). Quando eu era solteira-e-à-procura, não perdia essa chance, a ponto de, em um Réveillon bem simplinho no qual que estávamos apenas eu e uma amiga na casa dela, a gente primeiro abraçar o cachorro – que era pequeno, mas macho – quando deu meia-noite, sob risco de não conseguirmos nos emparceirar naquele ano.

ADEUS ANO VELHO, VIDA VELHA, ENERGIA VELHA, PELE VELHA

sálvia e alecrimAno passado, passei essa data em Marrakech, no Marrocos. Não rolou celebração nenhuma nas ruas, apenas em hotéis. E ficamos, eu e meu marido, zanzando em busca de uma contagem regressiva que não aconteceu. Estava bem frio, 3c, e achamos por fim restaurante, perto da praça Jmaa el Fna, onde pedimos um chá de hortelã tradicional que o garçom nos trouxe a 15 segundos da meia-noite. Brindamos singelamente com chá. Porém, mais cedo, havíamos feito um Hamman, o banho marroquino que tem uma sessão inacreditável de esfoliação. Acho que a mulher tirou um meio quilo de pele velha do meu corpitcho. Tudo do banho foi incrível, mas o melhor foi me dar conta que eu entraria o ano deixando tudo de antigo para trás.

Então, para quem quer abandonar o velho e fazer uma limpeza legal das suas energias, eu recomendo um banho feito com alecrim ou sálvia, ou os dois. A gente fica com cheiro de tempero, mas são ervas muito eficientes para limpeza de energias discordantes ou negativas, purificação e também de forte proteção. O alecrim dá uma energizada bem legal, uma acordada boa, que tem a ver com o nome da festa (“réveillon” vem do francês e quer dizer despertar) além de ser uma plantinha muito usada nos feitiços de amor. Voilá.

O sal grosso, eu acho um pouco forte demais para nosso lindo, sutil e colorido campo energético. Seria o equivalente a tomar banho com água sanitária. Salvo em raras excessões, seu uso é abrasivo demais e desnecessário.

RÉVEILLON ENTRE OS LENÇÓISmandinga1

Minha última dica não é para amor, mas um banho para “uso da área de lazer”, ou seja, para diversão pura, a princípio sem visar compromisso algum. Se você anda devagar, esse é um banho incrível para tirar a teia de aranha e aproveitar todo o potencial daquele órgão feminino pequeno e fundamental, o único órgão do corpo humano cuja função é exclusivamente o prazer . Talvez o banho dê resultado para homens também, não sei. Se algum menino usar e der certo, me conte depois!

Enfim, tenha ou não um alvo à vista, tome esse banho por sua própria conta e risco.

Os ingredientes:

3 pétalas de rosa

3 paus de canela

3 xícaras de café de sakê

mel

Jogue tudo numa panelinha no fogo e deixe levantar fervura. Desligue e deixe curtir um tempo. Tome banho normal, por último, encha a panelinha com água do chuveiro, diga as palavras do seu encantamento, abençoando a poção. Diga com todas as letras a finalidade daquela mistura e do seu ritual. Não é recomendado dizer o nome da pessoa que você deseja, por razões de livre arbítrio, mas cada um sabe do seu karma. Aí, jogue a mistura sobre o corpo e deixe secar naturalmente.

Boa sorte e feliz 2015!!!!

Walpurgis

Refletindo sobre as estações, lembro que

no reino dos seres elementais, das fadas,

tudo é  inverso e o avesso do nosso, eles mesmos dizem.

Mas nem precisamos ir para o outromundo para testemunharmos uma inversão:

nosso lindo planetinha,

como uma pilha-bateria,

nos mostra diariamente que

no hemisfério de cima, o sol gira para um lado,

no de baixo, para o outro.

Que o hemisfério de baixo tem calor

enquanto o de cima passa frio.

Complementaridades

duas faces opostas unidas pelo aço de um espelho

– divididas pelo véu da percepção

ou onze horas num avião da United.

 

Aqui, hoje, Beltane.

Nosso Beltane do sul é escorpionino

É mais safado, ferrenho, sedento,

misterioso e mórbido. Mas é Beltane.

Porque o que vem a seguir, é mais calor e mais vida.

Quem lê muito (ou vê e sente) sabe

que são  duas as datas onde o véu entre Este

Mundo e o De Lá vira um nada de um fio de linha:

Samhain e Beltane.

Grandes marés de poder quando

fadas e espíritos atravessam as linhas, os véus e os espelhos.

 

Faço massagem sueca com um massagista sueco.

(Sei que sou sortuda)

Ele ontem me perguntou do Halloween. O que eu acho?

Comento que para mim  a energia é a do oposto, Beltane, que corresponde ao 1º de maio para o norte.

E ele então me conta que, na Suécia, um país com fortes resquícios Pagãos,

o dia das bruxas mesmo é o 30 de abril,

quando fogueiras imensas são acesas por todo o país

porque as bruxas estão se reunindo.

E o povo se diverte bebendo e cantando e iluminando com fogueiras a chegada da primavera.

(O fogo é um portal para a Grande Branquidão e a Escuridão do além e também um protetor contra tudo de ruim que pode vir colar em nós numa noite de poder.)

Uma celebração que em sueco se chama Valborg

Mas a gente também conhece por Walpurgis.

No folclore germânico, a Walpurgisnacht,

a noite entre 30 de abril e 1º de maio,

é quando as bruxas de reúnem no pico de Brocken e festejam com seus deuses.

Como tantas datas  do norte da Europa, a força do dia é celebrada na noite da véspera.

31 de outubro/1º de novembro * 30 de abril/1º de maio

Duas noites de energia muito poderosa e espelhada,

que vale para qualquer ponto onde você estiver no globo,

“Nas quais, todos que partilhem da reunião do sabá serão aqueles cujo contato com o mundo sutil será estabelecido e gradualmente se fortalecerá.”

Nosso Beltane do sul carrega muito bem essa energia de Walpurgis.

Não é preciso importar e inverter datas e rodas quando nossa natureza de poder funciona perfeitamente bem.

Celebremos então o amor, celebremos a fertilidade da terra

e a natureza mística, oculta e profunda do sexo e da morte.

Feliz Beltane! Feliz Walpurgis!

 

Noite de Walpurgis

“(…) A terra escura se espalhou como uma tapeçaria antiga

Não passava de uma negrura sem fim, grávida de vida invisível.

Na escuridão, surgiram fogos em tal número

Que as estrelas acima poderiam ter pensado a terra como espelho delas.

E os pés de Walpurga se moviam nos espaços escuros entre os fogos

Pés tão jovens, pisando uma terra mais antiga do que ela podia imaginar.

Nos locais iluminados pelas chamas, as coisas vivas levantavam voo

Até a longa sombra do Brocken, que alcançava o sonho de qualquer pessoa.

Elas voavam, levando com elas a história inteira do mundo.

 Quem escuta a verdadeira história do mundo? Quem voa para os braços

Do Mestre de uma história tão comprida e antiga? Quem tem tamanha coragem?

Que bruxa ou vidente conseguiria suportar a terrível visão

Do verme devorador chamado Esquecimento? (…)”

 

Noite de Walpurgis em Thingstätte na Montanha Sagrada em Heidelberg, 30 de abril 2007

Noite de Walpurgis em Thingstätte na Montanha Sagrada em Heidelberg, 30 de abril 2007

**os trechos entre aspas são retirados do livro “Letters from the Devil’s Forest: An Anthology of Writings on Traditional Witchcraft, Spiritual Ecology and Provenance Traditionalism” de Robin Artisson.

Feliz Imbolc

Bênçãos de Imbolc!
Segundo as antigas tradições de celebração da natureza, hoje marca (simbolicamente) o meio do período entre o solstício de inverno e o equinócio da primavera.

O pai inverno perde sua força, e a donzela das flores começa a nos deixar entrever suas possibilidades de desabrochar. sol

Lembro em Chicago como era forte esse momento em que podíamos voltar a acreditar que o sol derreteria a neve… embora ainda fosse muito difícil vislumbrar algum verde no meio da morte branca e seca do longo e tenebroso inverno. No norte, esse momento é celebrado em fevereiro, mas, para nós do hemisfério sul, ele cai hoje, no signo fixo do Leão. É um signo de fogo, de fortalecimento, de garra.

Aqui no Brasil, não temos neve – a não um pouquinho em alguns estados do sul -, mas ainda assim essa alteração energética do marco central entre uma estação e outra é perceptível de diferentes formas.

Como cresci no Rio Grande, entre Porto Alegre e Santo Ângelo, lembro muito bem do Minuano (o vento) gelado, das frentes frias que vinham do sul da Argentina e do poema do querido Mario Quintana, “Família Desencontrada”, sobre as estações do ano onde :

“O Inverno é um vovozinho trêmulo, com a boina enterrada
até os olhos, a manta enrolada nos queixos e
sempre resmungando: “Eu não passo deste agosto,
eu não passo desse agosto…”

No sudeste, ele também marca um período de ar muito seco, portanto cuidar para manter o equilíbrio da umidade e hidratação do corpo torna-se fundamental. Ainda não é a hora de excessos físicos ou de jogar todas as fichas nos novos projetos. É um momento de ápice, clímax de uma estação e a transição energética e física para a próxima, ou seja, algo que está começando a virar. O encontro do frio com a promessa da vida, do rigor, com o desabrochar. Da Terra com o Ar. É um período bacana de observação, de sonhar novas ideias – que nos chegam com o embasamento do nosso período recluso por conta do frio. É o momento em que as sementes começam a despertar seu potencial de planta, por isso é bacana aproveitar o momento para dar início a limpezas profundas.

Ou como diz Margie Mc Arthur no livro Wisdom of the Elements:
“Quando o poder sábio, estrutural e sólido da Terra se casa com o movimento e a instabilidade do Ar, os poderes de renovação e aprendizado do Ar garantem o movimento para que a estrutura da Terra não se solidifique em algo que já não serve mais. Novas ideias surgem. o ar assegura que a sabedoria da terra emerja de seu silêncio. O Mistério é revelado pelo poder do som.”

Para ilustrar a season, achei essa obra lindíssima no website da artista Angie Latham. Estou muito a fim de comprar alguma das ilustrações dela para ter em casa.

beautiful artwork by Angie Latham

beautiful artwork by Angie Latham

Lua e Estrela

Apesar de a lua já parecer plenamente cheia no céu desde ontem à noite, hoje é o dia oficial dela.  Este mês ainda teremos uma segunda lua cheia no último dia de agosto, a chamada Lua Azul.

Esta lua ainda por cima coincidiu com o festival de Imbolc no hemisfério sul e Lughnassad, no norte. Para nós, um tempo bem no meio do inverno, quando começamos a sentir uma tênue mudança na energia, um acordar da natureza rumo à primavera. Isso era sempre mais claro para mim no hemifério norte, quando em fevereiro eu via as primeiras plantinhas corajosas tentando brotar ainda junto com a neve. No lado sul,  onde quase tudo permanece verde (graças aos deuses!), é mais fácil percebermos as influências astrológicas e o aumento gradual das horas do dia.

Lua cheia em Aquário

Os egípcios sabiam que a ascensão da estrela Sirius coincidia com a esperada cheia do rio Nilo. O rio sempre transbordava durante o ciclo da lua cheia de Aquário. O símbolo do  zodíaco é um homem com um jarro d´água nas mãos, imagem que se assemelha ao hieróglifo que representava o Nilo: um homem andrógino (Hapy) derramando jarros de água.

Essa imagem também lembra muito o arcano XVII no Tarot, a Estrela.

Seria coincidência? A artista Julie Cuccia-Watts acha que não e por isso mesmo ilustrou a Estrela de seu Maat Tarot com Hapy, o deus do rio Nilo.

The Star from the Maat Tarot, by Julie Cuccia-Watts.

A interpretação tradicional da carta tem a ver com sincronicidade, quando tudo se encaixa no lugar certo; quando as coisas parecem fluir  melhor do que o esperado, como se um dedinho divino tocasse os eventos humanos.

Uma lua cheia sempre é boa para atrair público para eventos grandes e para enxergarmos situações com clareza, porém também há uma tendência a sermos mais emocionais e reativos em tudo, então fique atento para evitar situações de conflito.

A lua cheia em Aquário tende a exacerbar esse desejo de socializar e dá vontade de experimentar lugares novos, receitas novas, filmes alternativos, enfim, qualquer coisa que saia da rotina. É mais propícia para reunir amigos do que para encontros íntimos. Na hora de sair, evite depender de carona, pois há uma necessidade maior de liberdade e cada um fazer as coisas do seu jeito.

Com a criatividade e desejo de experimentar em alta, quem costuma ser muito rígido e controlado pode encontrar justamente a oportunidade de cometer uma pequena extravagância ou arriscar algo fora do comum.

No entanto, se olharmos pelos aspectos astrológicos essa lua traz um período de confusão em estradas e aeroportos com o aumento no volume de gente viajando (ainda por cima com Mercúrio ainda retrógrado), o clima se manifesta fora do padrão e aumenta o risco de chuvas fortes e enchentes em vários lugares do planeta, e debates e encontros políticos trazem resultados confusos – o que não é um bom presságio para o começo do julgamento do mensalão em Brasília. Para nossa sorte, o Sol faz um sêxtil com Júpiter  o que facilita interações sociais e deixa todo mundo mais positivo.

Quem sabe a Estrela está olhando por nós, after all.