Abrindo portais de possibilidades

“Toda mulhcooking-poter é feita à imagem da Deusa.”

Lembro tão claramente da primeira vez que escutei isso, e o quanto esse pensamento instantaneamente abriu em mim um portal de possibilidades e uma elevação imediata de autoestima. Eu já tinha lido as Brumas de Avalon anos antes, já tinha achado lindo mulheres cultuando a Deusa, como criadora de todas as coisas e cujos rituais são os atos de amor e prazer; já havia conhecido um coven de Wicca em Porto Alegre em 1994 e estava levemente familiarizada com a ideia de paganismo, mas nada disso mexeu comigo tão visceralmente quanto o trabalho de cura xamânica do útero do qual participei alguns anos mais tarde.

Nascer e crescer mulher traz em si experiências muito próprias e por vezes muito doloridas por estarmos inseridas em uma sociedade que aprendeu a valorizar muito mais os traços e atitudes masculinas e acabou restringindo as mulheres a certos papéis e limites. Temos, aparentemente, apenas duas escolhas: o caminho do feminino tradicionalmente aceito pelo patriarcado e a sociedade de consumo, ou abrir um atalho à força, endurecendo nossa natureza para sermos aceitas como iguais em um mundo gerido pelo clube do bolinha. Esse clube que aceita, espera e louva as figuras, por exemplo, da mãe perfeita, da barbie, e até do furacão sexy, ao mesmo tempo, abusa de todas elas, pois parece que podem ser usadas quando convém e descartadas, magoadas ou traídas quando convém. Se vamos pela outra senda possível, se não crescemos com uma beleza tradicional e estonteante, ou desejos imediatamente maternais e casadoiros, mas tivemos a sorte de sermos inteligentes e reconhecidas por isso, então, para nos inserirmos e sermos respeitadas de verdade, acabamos por nos masculinizar demais, exacerbando nossa competitividade, nossas cobranças e encontrando um sem fim de dificuldades para relaxar na vida e curtir nossos relacionamentos. Essa postura de animus muito desenvolvido que foi ensinada (e muito bem captada pela minha geração), é um dos grandes paradoxos que estamos vivendo enquanto fêmeas (e machos) e está muito bem descrita nesse texto de Ruth Manus.

Mas será só isso mesmo? Onde podemos vivenciar algo diferente em nossas vidas? Até que ponto nossas escolhas e atitudes sustentam padrões negativos para nós mesmas e até que ponto estamos explorando de fato todas nossas opções e caminhos? É possível um reencontro sagrado e verdadeiramente feminino consigo?

E o quanto um encontro assim, que fortalece nossa natureza verdadeira, pode ser benéfico à toda nossa espécie? Pois afinal, mesmo os homens estando no comando, eles não estão bem, não estão felizes. Se metade da humanidade passa mal, a outra metade, mesmo dominante, não pode estar saudável.

Essas perguntas não têm respostas prontas nem muito menos fórmulas mágicas propondo soluções. São buscas que podem levar a vida toda, mas, com todo o movimento do ressurgimento da Deusa e da proliferação linda e amorosa dos círculos de mulheres, dá para ver que são uma ânsia compartilhada, uma sede de nós mesmas que afeta cada vez mais mulheres que querem viver uma autenticidade, uma irmandade, uma vida mais completa seja lá do que for que nosso âmago e alma precisem exprimir no mundo — e que passa pelo reconhecimento de que nossos corpos e nossas expressões são sagrados.

Dentro da minha busca, já passei por vários momentos, vários cursos, vários círculos, várias observações de vida e fiz um bocado de descobertas. E  é com imensa alegria que agora anuncio que o curso “Ativando o Caldeirão de Poder Feminino” , depois de alguns ensaios, vai finalmente sair, agora em agosto.

Dia 1/8 vai ter uma turma bem pequena na minha casa, as vagas já estão quase completas.

Dia 8/8 o curso acontece no espaço Terapia Femmes na zona sul de São Paulo. Clique aqui para ver o evento.

O primeiro módulo é voltado à retomada do seu poder pessoal e da sua sacralidade como mulher. Vamos passar um dia de vivências e rituais  para celebrar nossa divindade e nos comprometermos com um viver mais amoroso e suave. Também vamos falar e entender as diferentes personalidades e talentos que manifestamos durante as quatro faces arquetípicas que vivemos durante um ciclo menstrual e as fases arquetípicas que vivenciamos ao longo da vida, desde a Donzela até a Anciã.

Uma de nossas maiores forças está em descobrir que é possível amar nossos ciclos – do mês e da vida, entendendo a magia e a força de cada um, despertando todo o potencial do nossos úteros, nosso caldeirão criativo que nutre e gesta nossos projetos, sonhos e relacionamentos.

O curso usa conhecimentos e técnicas que vem de tradições xamânicas, como os Toltecas, da magia ocidental com origem cabalística ou celta, e de ensinamentos divulgados pela autora e terapeuta energética Miranda Gray.

Todo trabalho energético e ritualístico mexe com coisas profundas  e seus efeitos podem ser imediatos ou levar anos, não há como prever, mas pela possibilidade inerente de transformação que trazem em si essas propostas, é importante que atendamos o chamado ao nos sentirmos prontas.

Se esse for o seu momento, venha se juntar a nós.

BANNER _ 1